02-08-17

Foda Gostosa da UFF e Cantareira

Tentarei relatar minha ultima transa. Foi com uma universitária de Sociologia da UFF. Nos vimos pela primeira vez em um barzinho da Cantareira em Niterói. 
Ela tinha um rosto bem delicado parecido com as gaúchas descendentes de alemães. Ela era bem nova. Ela é loira, corpo de quem faz natação com ombros largos e uma bunda grande... Um senhor rabo, bunda muito gostosa, seios também enormes, pele muito branca... O Nome dela é REGINA, olhos azuis, 1.70m por aí.
Começamos a conversar ainda no bar aqui na Cantareira, até que ela ficou bem alta, nisso pagamos a conta e fomos para a muvuca na Praça da Cantareira que em dia de quinta feira fica cheio lotado mesmo. Eu enfiava a língua naquela boca e tentando ser discreto ficava apertando a bunda dela, meu pau todo duro esfregando na calça jeans dela, ela doida que às vezes tinha que aperta-la contra mim afim dela não cair no chão. A coisa foi esquentando, ela travava as suas pernas na minha, sua bucetinha roçava no meu pau – que naquela altura já estava estourando. Ela parecia gostar de senti-lo no meio das pernas. Não agüentei mais e tentei, na verdade abusei, enfiei a mão dentro da sua calça jeans e fiquei mexendo na xereca dela. Ela relutou um pouco, só de charme, mas acabou cedendo. Nos beijamos umas três vezes diretas, com ela alisando sobre a calça meu pau. Pelos lados neguinho ficava olhando com maior cara de fome para nossa ralação.... Tudo foi esquentando. Encostamos num dos carros parados, numa rua escura e acabei mordendo o bico do seio sem tirar a camisa dela, beijava um e mordia outro, continuamos andando na direção do prédio dela. Chegamos no prédio. Ela me chamou para o apartamento dela, que dividia com uma amiga, perto da Cantareira, quando entrei no ap, ela sorriu me mordeu a boca e se jogou nos meus braços....Aqueles peitões vieram parar na minha boca, ela puxou a camisa, eu tava segurando ela pela bunda no alto. 
Ela com as duas mãos ficou passando aqueles peitos na minha cara eu querendo morder e ela esfregando os peitos na minha cara. Ela se abaixou e me deu um beijo longo e mais uma vez mordeu meus lábios agora os sangrando. Fiquei meio puto e dei um tapinha na cara dela, ela riu, eu como tirei um dos braços ela me desequilibrou e a gente caiu no chão, nisso fiquei por cima dela peguei a cara dei outro tapinha e fiquei roçando o pau na xota dela...Nos dois ainda de roupa.
Fui logo colocando minhas mãos na cintura e a deixando de bruços no chão frio...Sua bundona toda ali deitei sobre ela, comecei a passar a vara na calça e beijando a nuca mordendo as costas... Fui enfiando a mão por dentro da calça sentindo a calcinha toda enterrada dela, o tecido da quase tanga e fui tirando o seu jeans...Logo surgiu uma calcinha branca nada sexy, fiquei puto e arranquei...Ela reclamou por que a droga da calçola quebrou, mas machucou a virilha dela...Passei a mão...Tocando diretamente a virilha de leve, meio que massageando, a descarada pediu para meter a mão no grelinho dela. Dava pra sentir a bundinha dela se abrindo eu sai de cima e virei para ver a bucetinha dela, pequena pro tamanho da anca que tinha, levemente estufada. Ela soltou os cabelos, e aquilo me deixou mais louco de tesão. Falou: “Vai ficar de putaria, ou vai fuder logo, não é macho não, me come, me faz vadia”, ela me deu um tapa, eu agora dei um tapão na coxa, ficou vermelho aquela pele branca! 
Ela fazia uns gemidos que me deixava maluco. Eu enfiei o dedo na xota dela e batia nas coxas, enquanto enfiava, ela gemia alto e me chamava de MACHO, falava: “Me come, me bate”, eu tirei a roupa dela e a minha logo e fiquei pelado deitado sobre ela mordendo os peitos, roçando o pau na coxa da vadiazinha. Ela tava muito doida e pediu rola dentro, eu ainda quis fazer um agrado, fiquei beijando a virilha dela, mordendo as beiradas dos lábios da buceta, indo pro umbigo e descendo na direção do grelinho onde parei e mordi, nessa ela deu um tapa na minha cabeça, mordi de novo o grelinho dela e agora realmente beijei a buceta dela, parei e levantei a cabeça e fui direto beijar a boca da safada...Falei:
Boca e xereca mais que gostosa vadiazinha.
Encostei no corpo de Regina, levantei as costas um pouco do chão e puxei as coxas delas e comecei a enfiar. Ela não falava nada, só dava uns gemidos altos, parecia muito louca. Então enfiei com força cada estocada mais rápida, ela pôs os dedos na boca, ficou fazendo cara de safada, enquanto em bombava forte naquela bucetinha apertada, ela pegou e começou a arranhar minhas costas. Até que ela gozou e finalmente disse algo. “Ah que tesão, come de novo Vagabundo, me come de novo, me fode Cachorro, to loca de tesão, vem!!!”. 
Prontamente obedeci, Botei-a de quatro e fiquei passando a cabeça da rola na xaninha da vagaba... Enquanto me contorcia para tocar o grelinho dela, todo torto a branca foi ficando louca com as estocadas que eu dava meio descompassadas pelo motivo de tentar dedilhar o clitóris da Regina.
Ai deixei de lado botei as mãos na cintura e fui pra buceta com força, ela gritava ainda mais alto, e dava tapas na bunda branca da Regina. Eu encaixei o pau, tirava e colocava, cada vez com mais força segurando aquela bunda grande...Ela gritava. Bombei, bombei, eu continuava metendo o pinto, ia lá dentro e tirava todo até ficar só a ponta da cabeça e metia de novo com tanta força que ela até estava engatinhando com toda a violência que eu estava fodendo. 
De tão forte ela chegou ao sofá. Eu deixei um tempo o pau dentro dela, tudo dentro, quando ela se jogou e ficou com a xota na ponta do sofá, e eu voltei a BOMBAR BOMBAR, EU lá metendo, saía até lagrima do rosto da Regina safada. 
Ah! Como ela REBOLAVA LEGAL. Já não tava agüentando e esporrei com tudo dentro daquela buceta suculenta, despejei toda minha porra dentro daquele buraquinho, aquela boca de vulcão quente, que devia engolir tudo com gosto. Caímos do sofá no chão de novo e ficamos deitados por algum tempo. 
Depois eu massageava a bucetinha dela toda lambuzada. Fiquei fascinado com aquela buceta quente e úmida. Cheia de tesão. Eu pedi para tomar um banho ela veio comigo.
Fiquei esfregando sabão naquele corpão, metendo a mão com tudo na buceta, enfiando dois dedos no cuzinho dela, até que meu pau deu sinal de alerta de novo. Ela olhou com cara de fome para meu caralho. Deu uma ensaboada nele, ficou apertando, ele cada vez mais, duro enxaguou com água.
Ela apertou mais umas quatro vezes tão forte que até fiquei receoso, ate que ela se ajoelhou e meteu a boca.
Ela gemia de prazer, não me deixou tocar nela, só aquela boca segurando meu pinto chupando, indo e voltando no meu caralho... as vezes mordendo o cacete.
Apartir daí comecei a sentir a mão dela na minha perna, ela chupava meu pau e arranhava minhas duas coxas. Sentia aquela boca se contraindo a cada pulsada que meu pai dava, eu movimentava o pau para cima dentro da boca da vadia, e ela contrair sem morder, tirava-o até a cabeça e mordiscava a ponta do pau.
Num momento ela retirou o pau da boca. Ela meio cambaleante se levantou e me puxando pelo pinto me levou para a cama dela. Nos jogamos lá. Regina passou a lamber os lados do pau, enquanto o punhetava na base, segurei a cabeça dela e dava com o caralho na cara da safada.
Dava com o pau e logo em seguida um tapinha no outro lado do rosto, a empurrei com força no chão e a virei de bruços, passei o cacete no rego do cu, mas ELA DISSE NÃO bem alto, eu dei uns tapas naquela bunda ainda vermelha e passei a cabeça na xota já na entrada mesmo, Regina pedia pra ser penetrada. A mão dela começou a apertar as próprias tetas gigantes que ela tinha. Senti que ela pirava com a cabeça da minha pica dentro da entrada do xoxotinha.
Ela gemia de TESÃO. Regina ficou brincando com os seus dedos no grelinho, enquanto eu enfiava o pau devagarzinho. Eu pedi para que ela gritasse pelo meu pau...
Nessa hora, ela gritou POE ESSE CARALHO SEU SAFADO, CRETINO, MACHO, enfia logo desgraçado...Mete essa fica grossa em mim, me fode, mete. A buceta dela parecia até que fica mordendo meu pau, era uma sensação gostosa demais.
De repente, meu pau cuspiu a porra naquela xereca gostosa, ainda assim fiquei enfiando enquanto ele amolecia, ela GRITOU, AHHHHHHHHHHHHE, disse que tinha gozado de novo e acabamos caídos naquela cama, de foda, de álcool que ainda tava na idéia, na cabeça, nós dormimos agarrados, pelados, com meu pau encostado no meio das bandas daquela bunda gigantesca.

23:09 Gepost door Pé de Cenoura | Permalink | Commentaren (0) |  Facebook |

De commentaren zijn gesloten.