20-12-17

Lisa

Conheci Lisa quando trabalhava no Ceasa. Desde que a vi pela primeira vez, prometi a mim mesmo que , mais dia, menos dia, eu iria comer aquela morena escultural. Lisa era muito bonita, lábios carnudos, bunda arrebitada, seios firmes, coxas grossas... e havia se separado recentemente. 

Sempre que nos encontrávamos, eu percebia que rolava um clima diferente, no entanto Lisa, talvez para disfarçar, me esnobava e, brincando,  dizia que "esses paulistas brancões não eram de dar no couro" e "não me envolvo com homens casados". Eu respondia que ia chegar o dia em que eu a faria mudar de opinião. E assim ficamos por um período, sempre trocando brincadeirinhas maliciosas.

Certo dia, quando fui ao banco, encontrei-a na agência. Enquanto aguardávamos o atendimento, entre outros papos, ela me contou que sua mãe a tinha trazido e eu, imediatamente, lhe propus para voltarmos juntos ao Ceasa. Ela aceitou. Já no carro, disse-lhe que iria para num local sem movimento e beijá-la. Ela, brincando, respondeu que eu era mesmo louco e não acreditava que tinha coragem. Pois bem, entrei numa estrada vicinal, parei o carro e a beijei prolongadamente, trocando afagos e carícias. Estávamos com tesão reprimido e eu ia comê-la ali mesmo, mas o bom senso me alertou para convidá-la a ir para um motel. Lisa propôs, então, que só poderia se fosse no dia seguinte, bem cedo, por volta das 5,30 da matina, vez que a noite era muito complicado para ela. Nem entrei em detalhes e topei na hora.

No dia seguinte, no local combinado, lá estava Lisa já me esperando. Levei-a direto para o motel mais próximo. Tínhamos que aproveitar ao máximo, pois só dispúnhamos de uma hora e meia. Já entramos no quarto ofegantes, nos beijando e arrancando as roupas. Em instantes aquela escultura de morena estava nua e à minha disposição. Minha boca já percorria todo o seu corpo, extraindo gemidos, o que me deixa maluco. Estacionei em sua gruta e coloquei minha língua para trabalhar, sugando com vontade aquele ninho de prazer, bebendo aquele néctar, mordiscando seu clitóris e alternando com linguadas firmes, porém carinhosas. Lisa agarrou minha benga e começou a lambê-la em toda a sua extensão: iniciava no ânus e terminava na cabeça, repetidas vezes, levando-me à loucura, até que o abocanhou e o chupou com determinação.

Lisa, após gozar várias vezes em minha boca, sussurrou-me, ofegante, para penetrá-la. Entrei de vez naquela boceta quente e podia sentir o quanto estava pulsando, parecendo implorar por uma vara dura. Enterrei de vez e ali fiquei dando estocadas por vários minutos e posições. Lisa gemia e soltava gritos de prazer, até que eu explodi em gozo.

Depois de uma banho para repor energias, olhei para o relógio e vi que tinha ainda tempo suficiente para traçar aquela bunda. Iniciei com uma chupada, encharcando seu cuzinho de saliva e o preparando para ser penetrado. Lisa, de início, não concordou, dizendo que aquela bundinha era virgem, que ia doer, etc. Mas, com muito carinho e muita língua, percebi que ela estava gostando e muito. Coloquei-a de quatro e continuei chupando seu cuzinho e manipulando o clitóris. Lisa foi cedendo, sem dizer nada, peguei minha rola e fui introduzindo devagar, sem parar de massagear seu grelinho. Lisa foi se acomodando e dando espaço, eu introduzindo mais um pouco, até que ela, definitivamente, gritou: "- Enfia tudo de vez, está uma delícia, já estou quase gozando." Pedido feito, pedido atendido. Entrei todo naquele cuzinho apertado e comecei o vaivém devagar e fui aumentando o ritmo, enquanto Lisa, gemendo de prazer, dizia não se conformar por nunca ter dado a bunda. Continuei o vaivém, agora mais rápido, até que Lisa, explodindo de prazer, implorou para eu jorrar meu esperma bem no fundo de seu cuzinho. Gozamos juntos e fiz questão de ficar olhando para aquele cuzinho, agora expelindo minha porra. 

O nosso tempo esgotou, tomamos um rápido banho e fomos para o Ceasa trabalhar. Ficamos bom tempo saindo, até que ela voltou para o marido e engravidou.

01:46 Gepost door Pé de Cenoura | Permalink | Commentaren (0) |  Facebook |

De commentaren zijn gesloten.