21-12-17

Feriado

Era feriado e eu estava furiosa, pois tinha sido convocada pelo chefe para cobrir a saída de uma funcionária. Eu havia planejado uma viagem e precisei esquecê-la. Inconformada, fiquei o dia inteiro trabalhando. Quando deu a hora de ir embora, peguei minhas coisas e corri pro ponto de ônibus. mais uma vez, passei por outro contratempo - o ônibus estava lotado e eu tive de ir em pé. Eu não estava acreditando no meu azar. O motorista parecia apressado: corria muito e freava de repente. Eu usava uma saia muito curta e comecei a ficar espremida contra o cano de ferro do banco. A sensação era estranha, mas começou a me dar prazer. Como estava sem namorado há muito tempo, o contato com aquele cano duro e gelado me excitou. minha calcinha começou a ficar molhada de tesão.. Olhei ao redor e ninguém percebia nada. Abri um pouco as pernas, e aproveitando o embalo do ônibus, comecei a me esfregar vigorosamente naquele cano delicioso. Eu nem pensava na loucura que estava fazendo. Sentia as pernas tremendo de tesão. Como ninguém notava o que estava fazendo, continuei com a brincadeira. mas, de repente, um rapaz percebeu minha excitação e começou a se encostar em mim, acompanhando os meus movimentos.

Pensei em me afastar, mas resolvi curtir as sensações que aquele homem estava me proporcionando. Ele grudou-se ainda mais em mim e começou a beijar a minha nuca. E eu, mais safada, afastei meus cabelos para que ele me beijasse á vontade. Senti seu instrumento latejando no meu traseiro. Ele me puxou pra mais perto de si e me fez esfregar no seu corpo.

Eu já estava trêmula, sentindo uma confusão gostosa.. "Eu quero te comer todinha", o desconhecido sussurrou no meu ouvido. Eu não dizia nada. Só me deixava ser encoxada enquanto ele não parava de falar besteiras. Até que consegui me aproximar da porta de saída . Desci rapidamente, ainda com as pernas tremendo e com muito tesão. Comecei a andar rápido e quando olhei pras trás, vi que o estranho estava me seguindo. Tentei apressar os passos, mas ele correu e me segurou. "Eu vou te dar o que tanto você quer!", ele falou me colocando contra a parede. Eu podia ter tentado fugir, mas tudo que fiz foi levantar a saia e abaixar a calcinha. "Você está querendo, não é sua vagabunda?", ele perguntou. "Faz o que quiser comigo e depois me deixa ir", falei. "Pode deixar!", ele disse, esfregando seu membro na minha bunda. Era a primeira vez que transava com um desconhecido, mas estava adorando.

Ele parecia um tarado. Percebi quando se ajoelhou e começou a me chupar. Não teve um único lugar onde ele não chupasse. Ele me fazia sentir muito tesão e depois que me penetrou, não consegui mais segurar o gozo. Eu comecei a rebolar pra que entrasse tudo. Quando dei por mim, já não dava mais tempo de nada.: comecei a gozar e gritar de tesão. Ele tapou minha boca e aquilo me excitou ainda mais. "Quero gozar em você", ele falou. "Na frente, não. Goza atrás!", respondi. O homem sorriu e com as duas mãos abriu minha bunda. "Coloca você!", ele disse. Peguei sua vara e senti o quanto era grossa, mas mesmo assim a conduzi até onde eu queria. Com um movimento rápido, ele enfiou atrás. Quase gritei de dor, mas relaxei ao sentir o homem enlouquecido com a minha ousadia.. Ele deu algumas sacudidas fortes. Que delícia! O homem só tirou aquela vara gostosa de dentro de mim, quando me encharcou completamente.

Como se tivesse feito algo terrível, ele saiu correndo, me deixando sozinha naquele beco. Ajeitei a roupa. Só quando saí é que me dei conta de que não sabia nada daquele homem. Não tinha visto seu rosto e nem mesmo sabia qual era seu nome...

01:12 Gepost door Pé de Cenoura | Permalink | Commentaren (0) |  Facebook |

De commentaren zijn gesloten.