25-12-17

18 anos

Nessa época, eu tinha 18 anos de idade, já estava meio desenvolvida, minhas pernas bem grossas e os peitinhos pequeninos e bem pontudos, cabelos castanhos e grandes. Tudo aconteceu num ônibus, era fim de semana, e eu iria viajar para uma cidade que ficava a 18 horas de ônibus! Arrumei minha mala, vesti uma saia jeans e uma blusinha (sem sutiã) dessas sem manga, mostrando um pinguinho só da minha barriga. Meu ônibus partiria às 5 horas e eu ainda tinha que pegar a passagem que havia reservado, então saí de casa às 3:30, pois iria de coletivo até a rodoviária, que ficava a 1 hora de casa. Após meia hora de viagem, ele entra no ônibus, eu estou em pé bem no meio, ele fica ao meu lado e me observa da cabeça aos pés, me come com os olhos, olha fixamente para meus peitinhos que parecem querer furar a blusa. De acordo com meus movimentos, a blusa afrouxa um pouco e ele quase enfia a cara tentando ver meus peitinhos. O coletivo começa a encher, e vai ficando lotado, ele se posiciona atrás de mim, e como o coletivo fica completamente lotado ele se aperta contra meu corpo, e, safado que é, começa a se esfregar (ele estava de short do tipo  de jogador de futebol), e eu sinto seu pau duro fazendo pressão na minha bundinha. No começo não gosto, mas depois começo a me mexer para ralar melhor. O ônibus se esvazia e falta pouco pra chegar à rodoviária. Como o ônibus estava vazio, fui sentar lá no fundo, bem no meio, e ele ficou no mesmo lugar, porém se virou e ficou de frente pra mim. E eu cruzo as pernas e ele fica observando minhas coxas, ali expostas; resolvo  atiçá-lo mais ainda, descruzo minhas pernas e cruzo-as de novo pro outro lado, e,  nesse meio tempo, eu as abro o suficiente pra que ele veja minha calcinha branca e de rendinha. Ele fica com o pau superduro. O ônibus chega na rodoviária, (por coincidência ele desce também).Passa direto e vai esperar o ônibus e eu vou buscar a minha passagem. Por uma coincidência maior ainda, nós vamos para o mesmo lugar. Ele entra e fica na última cadeira do lado do corredor. Eu entro quando todos já entraram, procuro meu lugar e... é do lado dele. Me estico toda pra colocar minha bagagem em cima, e com isso minha saia fica mais curta. Passo de costas por ele para sentar no meu banco, mas  o ônibus acelera e eu caio sentada em seu colo. Não falo nada e vou para o meu lugar, ligo o walckman com o volume alto e fico olhando pela janela. Logo,  logo começo a fingir que estou dormindo. Percebo que ele fica olhando fixamente para minhas pernas, que estão semi-abertas (só um pouquinho). Não resistindo, ele abaixa a cabeça e olha entre minhas  pernas, vê minha calcinha e fica morrendo de vontade de tocar minhas pernas, e a vontade é tão grande que ele (tremendo) toca-as bem de leve, depois com o dedo acaricia a ponta do meu seio, também de leve. Durmo até as 8 horas, acordo e ele está cochilando, olho pro pau dele e vejo que dormiu a pouco tempo pois ainda está duro. Fico de olhos fechados, porém percebo que ele se levanta e vai ao banheiro. Nesse intervalo, puxo minha saia para que ela fique super curta, e esfrego a mão na minha bocetinha. Ele volta, e eu finjo estar dormindo, ele olha minhas pernas e fala baixinho "como eu gostaria de apertá-las, como eu queria beijar esses peitinhos", como minha fita já acabou, eu escuto essas frases e me molho todinha. Passa um tempo e sinto sua mão trêmula e fria tocar minhas pernas. Ele fala novamente baixinho "não agüento, que se dane tudo". Penso que ele vai meter a mão nas minhas pernas, mas não, ele começa a se masturbar. Eu acordo e o pego no flagra. Ele fica super sem graça,  vermelho de vergonha. E fica com medo de que eu faça algo, mas eu somente olho e depois volto a olhar pela janela, ele fica confuso. Me levanto e vou ao banheiro. Quando entro no banheiro, ele volta a se masturbar freneticamente. Quando saio, o percebo  guardando o pau. O ônibus que estava cheio, agora tem menos pessoas, pois boa parte desceu na cidade anterior. Quando vou passar para minha poltrona, eu paro de frente pra ele. Ele fica meio bobo, sem entender, eu estou com uma cara super séria, e ele não se atreve a dizer nada. Abro a mão direita e ele vê minha calcinha, jogo-a no meu banco e ele acompanha o movimento. Faço sinal pra que ele chegue um pouco pro lado, ele chega. Eu me ajoelho no banco, em cima dele. Puxo seu pau pra fora, pego uma camisinha que eu já havia aberto e estava na mão esquerda e coloco nele. Ele está perplexo diante de tudo, não consegue nem se mover direito, mas continua com o pau super duro. Termino de colocar a camisinha e começo a sentar no dele pau bem devagarzinho. Seguro seu pau com uma mão para guiá-lo boceta a dentro. Vou descendo bem devagarzinho, bem devagarzinho mesmo, quando seu pau já esta bem encaminhado , desço de uma vez e solto um grito de dor,, pego suas mãos e coloco-as por baixo da minha saia apertando-as contra minha bundinha. Quando sento por completo no seu pau, eu tiro minha blusa, pego sua cabeça e esfrego sua boca nos meus peitinhos, ele tira sua mão da minha bundinha, com uma aperta um dos meus peitinhos, com a outra esfrega minha coxa, e com a boca chupa meus peitinhos. Pouco tempo depois começo a levantar bem devagar e sentar (como sei que vou ter vontade de gritar e de apertá-lo com força, pego minha calcinha e enfio-a na minha boca),  começo a aumentar o ritmo cada vez mais e soltar gemidos de prazer, que são abafados pela calcinha na minha boca. Aumento bastante o ritmo, cavalgo e já estou quase pulando; ele me aperta, aperta minha bunda, enfia um dedo no meu cuzinho super apertado, chupa meus peitos com voracidade, e eu pulo sobre seu pau até que gozamos juntos. Ficamos ali parados (com o pau dele dentro da minha boceta) por uns 15 minutos. Ele só alisando minha bunda, minhas coxas e apertando meus peitinhos.

É tudo tão surpreendedor que não dissemos nenhuma palavra. Ainda em seu colo, pego minha blusa e visto, tiro a calcinha da boca e digo na sua orelha: "Adorei seu pau!"

Transamos mais vezes nesta viagem, só que isso já é outro conto.

01:52 Gepost door Pé de Cenoura | Permalink | Commentaren (0) |  Facebook |

De commentaren zijn gesloten.