08-01-18

Carol

 

Oi, eu me chamo Carol, hoje vou contar como foi minha primeira transa: Eu tinha 17 anos e era até muito comportada para minha idade. Nesta idade tive poucos namorados, mas nada a sério. Um era meu primo, só que eu não gostava dele, então não adiantava rolar nada. Outro foi meu coordenador na Escola. Ele era bem mais velho que eu, tinha experiência, pois já tinha sido casado, mas também não rolou nada a não ser as preliminares, mas não passava disso.Foi quando me apaixonei por um outro primo meu. Ele tinha uma namorada, minha amiga, mas eu respeitava. Ficava com aquilo só para mim. Foi quando ela começou a gostar de meu irmão... aí sim o caminho estava livre para nós. Eu dormia muitas vezes na casa dele e, as vezes, ele ficava me tentando. Ia para o quarto em que eu dormia e nós ficávamos nos beijando, passando a mão aqui e ali, mas também não passava disto, até porque tínhamos medo da mãe dele. 
Até que, depois de tantos amassos, dentro de carro, em casa, praças, resolvemos ir a um Motel. Para mim tudo era novidade, afinal, nunca tinha ido a um. Fui, mas com um medo do que poderia acontecer... 
Chegamos lá, ele foi tomar banho e eu fiquei sentada esperando por ele. Quando ele saiu do banho, veio em minha direção e gelei, pois pensei: "Hoje eu não escapo!". Ele me deitou na cama, começou a beijar minhas pernas que, por sinal, são bem torneadas e veio subindo, beijou minha barriga, meu pescoço, me virou de costa, beijou-me toda e tornou a me virar de frente. Desabotoou a minha blusa e começou a morder meus seios, bem de leve... aquilo me deixava excitada, depois começou a descer sua boca em direção a minha boceta, que já estava molhada, tirou minha calcinha, abriu bem as minhas pernas e começou a chupá-la... nossa, eu fui à loucura! Cada linguada que ele me dava, eu me contorcia toda na cama. 
Depois de alguns minutos, ele foi subindo em mim, senti seu pau duro sob meu corpo. Nesta hora, comecei a subir em direção à cabeceira da cama numa tentativa de fuga, mas foi em vão. Quando minha cabeça encostou, senti que seria aquela hora. Ele percebeu que eu estava um pouco com medo e pediu para eu ter calma e relaxar. 
Novamente ele começou a beijar meus seios, minha barriga e senti seu membro forçando a minha boceta. Abriu bem as minha pernas e foi colocando devagar, mas estava doendo muito... era uma dor meio gostosa... ele continuo, foi enfiando o cacete bem devagarzinho... ele metia e tirava, até que enfiou de vez... dei um grito, mas ele parou um pouquinho e continuou aquele vai e vem bem lento. Aquilo foi ficando tão gostoso que deixei a dor de lado e comecei a aproveitar a coisa maravilhosa que estava sentindo. 
Nós ficamos ali, acho que mais de quinze minutos, naqueles movimentos bem gostosos, até que gozamos. Eu nunca tinha sentido aquilo, foi maravilhoso! Depois, passamos a tarde juntos, fizemos outra vez e marcamos para sair um outro dia. 
Continuamos a nos encontrar na casa dele e em motel. Isso durou mais ou menos uns quatro anos, mas tudo tem começo, meio e fim. A nossa historia terminou cada um para o seu lado. 
Passei muito tempo sem ter contato com ele. Hoje em dia, de vez em quando encontro com ele por ai, mas é só um "oi" e um "tchau".Mas valeu a pena, não me arrependo de ter sido com ele.

02:19 Gepost door Pé de Cenoura | Permalink | Commentaren (0) |  Facebook |

De commentaren zijn gesloten.